A notícia mais importante do dia, ilustrada para fazer "Cócegas no Raciocínio" e fomentar a indignação dos que são contra o PACOEPA - Pacto Corruptônico que Envergonha o País.
Frontal

 

 

247

“Lula sempre manipulou habilmente as declarações alheias. Agora, falseia até suas próprias afirmações. Na sua primeira entrevista como presidiário, declarou: “Não trocarei a minha dignidade pela minha liberdade.”

240

Na segunda entrevista, dessa vez ao jornalista Kennedy Alencar, ajustou o discurso para admitir o óbvio: equipa-se para solicitar a progressão de regime que levará à abertura de sua cela. “Obviamente, quando os meus advogados disserem ´Lula, você pode sair´, eu vou sair.

243

Só sairei daqui se qualquer coisa que tiver que tomar decisão não impedir de eu continuar brigando pela minha inocência.” Ainda que desejasse, Lula não poderia trocar a dignidade pela liberdade.

245

Primeiro porque perdeu a dignidade ao cometer os crimes que o levaram à prisão. Segundo porque sua passagem do regime fechado para o semiaberto não é matéria sujeita ao escambo, depende da aplicação da legislação.

241

Num país submetido ao Estado de Direito, jamais será sonegado a um condenado o sacrossanto direito de defesa. A alegada “inocência” de Lula perdeu o prazo de validade quando sua culpa foi ratificada na terceira instância do Judiciário.

242

Mas ao dizer que não abre mão de “continuar brigando”, o preso como que desmente afirmações anteriores, nas quais tratava o Judiciário como parte de um grande complô político.

246

Lula costuma dizer que, quando puder, voltará a percorrer o país. Talvez não tenha a oportunidade de expor seu discurso desconexo a plateias companheiras cada vez menores.

251

Está a caminho uma segunda condenação em segunda instância, referente ao caso do sítio de Atibaia. Somando-se as penas, Lula voltará para o regime fechado antes de se acostumar com as vantagens do semiaberto ou os confortos da prisão domiciliar.” (Josias de Souza).

244

.

.

248

Para compartilhar no face book, clique no primeiro quadro:

0 comments

Deixe uma resposta