A notícia mais importante do dia, ilustrada para fazer "Cócegas no Raciocínio" e fomentar a indignação dos que são contra o PACOEPA - Pacto Corruptônico que Envergonha o País.
001

 

“Elio Gaspari elogiou as boas maneiras de Michel Temer. Em seguida, acusou-o de ser mesquinho com Dilma Rousseff: “Com a chegada de Michel Temer ao Planalto, os bons modos regressaram ao Palácio. Temer não é apenas bem educado, chega a ser um virtuoso das boas maneiras. Exatamente por isso deveria controlar a ferocidade de seus janízaros. Cortar a entrega da cópia da seleção diária de textos da imprensa para a presidente afastada, Dilma Rousseff, foi pura mesquinharia”. Elio Gaspari está confundindo as coisas.

141
Como mostrou Josias de Souza, Dilma Rousseff gastou 650 mil reais em pouco mais de duas semanas: “Dilma Rousseff vive desde o dia 13 de maio uma derrocada dourada. Fechada a contabilidade de maio, o governo gastou com Dilma cerca de R$ 650,7 mil. Os dados obtidos pelo blog são oficiais. Procurada por meio de sua assessoria, Dilma não quis fazer comentários sobre o tema”. Mesquinharia é gastar 650 mil reais em mordomias e se recusar a prestar contas aos contribuintes.” (O Antagonista).

 

142
“Relatório de análise da Procuradoria Geral da República sobre as contas na Suíça do presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniu os principais documentos compartilhados por autoridades estrangeiras que comprovam para a força-tarefa da Operação Lava Jato que o dinheiro que circulou nelas pertence ao parlamentar. Esse dinheiro, dizem os investigadores, sustentou uma vida faustosa e rotina de ostentação da família do peemedebista em viagens a Paris, Roma, Madri, Dubai e Miami.” (Blog do Noblat).

 

143
“Reclama de não ter jato da FAB à disposição para viajar quando e para onde bem entenda. Reclama da reduzida equipe. Reclama do cartão de alimentação. E no entanto, de uma ponta a outra, a lista de suas efetivas disponibilidades é feita de privilégios! São regalias negadas aos trabalhadores. E ainda mais recusadas aos milhões de brasileiros desempregados por sua incompetente condução da política econômica. A estes, desempregados pela corrupção, desempregados pelos gastos durante o estelionato eleitoral de 2014 e pelo dinheiro despejado no totalitarismo dos camaradas bolivarianos, ela não dedica uma única palavra.” (Diario do Poder).

 

144
“…porque este é o número de parlamentares que ele tem no bolso — literalmente. É a bancada do Cunha.” (O Antagonista).

 

 

145

“Para o deputado Paulo Maluf (PP/SP), Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, cometeu um “ato canalha” ao gravar conversas com o ex-presidente do Congresso Renan Calheiros, o ex-ministro do Planejamento do governo interino Michel Temer Romero Jucá e o ex-presidente José Sarney. Maluf também comentou os pedidos de prisão solicitadas pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot contra Renan, Eduardo Cunha, Jucá e Sarney. Para ele, é “um exagero”. (Diario do Poder).

 

 

146
“A delação de Sérgio Machado é matadora para Renan Calheiros. Nela, Machado conta como era entregue a Renan dinheiro em espécie, num imóvel indicado pelo presidente do Senado, em Brasília. Ainda segundo o que consta da delação, Machado diz que o sempre cuidadoso Renan nunca recebia o dinheiro pessoalmente. A atribuição ficava com um auxiliary.” (Lauro Jardim).

 

147

“Ao justificar o pedido de prisão domiciliar de Sarney, o Ministério Público Federal descreve a atuação do ex-presidente como a do “capo di tutti capi”, ou “chefe de todos os chefes” do PMDB. Procuradores dizem que nada acontecia no esquema de propina para o partido sem a bênção de Sarney.” (Vera Magalhães e Severino Motta – Radar On-line).

 

148

“Na berlinda pelas críticas de que exageraram ao pedir a prisão do quarteto peemedebista, procuradores dizem que o caso era idêntico ao de Delcídio do Amaral, com a agravante de que os senadores planejavam usar sua prerrogativa de legislar para obstruir a Lava-Jato, o que configuraria crime.” (Vera Magalhães e Severino Motta – Radar On-line).

0 comments

Deixe uma resposta