A notícia mais importante do dia, ilustrada para fazer "Cócegas no Raciocínio" e fomentar a indignação dos que são contra o PACOEPA - Pacto Corruptônico que Envergonha o País.
Frontal 942

 

959

“A prisão de Michel Temer não foi uma surpresa nem mesmo para o preso. Nos últimos dias de sua Presidência, Temer disse a aliados: “Sei que vou ser preso, estou preparado.”

958

Há cerca de duas semanas, recebeu um ex-ministro em sua residência, em São Paulo. Disse que havia superado a fase da inquietação com a perspectiva de uma visita de agentes da Polícia Federal. Repetiu que se considerava “preparado para enfrentar a prisão”.

946

.

.

960

Temer atribuía a certeza da prisão não a um reconhecimento de culpa, mas ao que chamava de “espetáculo da Lava Jato”. Longe do corre-corre de Brasília, o ex-presidente vivia uma rotina de reclusão doméstica voluntária. De raro em raro, comparecia ao seu escritório. Dizia estar preocupado com o custo de sua defesa.

961

Lamentava que o amigo e criminalista Antônio Cláudio Mariz já não cuidasse dos seus processos. Conta agora com a assistência de Eduardo Pizarro Carnelós. Na quinta-feira da semana passada, Temer voltou a vislumbrar um prenúncio do que estava por vir.

962

O anúncio da encrenca futura foi como que esboçado numa intervenção feita pelo ministro Luís Roberto Barroso, no plenário do Supremo Tribunal Federal. Deu-se no momento em que Barroso votou contra o envio de processos sobre crimes comuns para a Justiça Eleitoral.

963

A certa altura, sem mencionar-lhe o nome, Barroso citou frase de um ex-ministro de Temer, Carlos Marun: “Somos o país em que o ministro de Secretaria de Governo de gestão anterior declarou: ‘O Brasil fez opção pelo combate à corrupção, no lugar de combater bandido.’ Eles acham que corrupto não é bandido. Essa é a mentalidade que ainda vigora no Brasil. Eu acho que são bandidos. E altamente perigosos.”

964

Na sequência, Barroso fez alusão ao processo sobre corrupção nos portos, protagonizado por Temer. Novamente, absteve-se de citar o nome. “Presidi recentemente um espantoso inquérito conduzido com imensa proficiência pelo delegado Cleiber Lopes, e que resultou em uma impressionante denúncia formulada pela procuradora-geral da República Raquel Dodge. Doutora Raquel e eu falamos do significado da corrupção estrutural, sistêmica e institucionalizada no Brasil.” (Josias de Souza).

950

.

.

943

.

.

951

.

.

948

.

.

957

.

.

949

.

.

954

Para compartilhar no face book, clique no primeiro quadro:

0 comments

Deixe uma resposta