A notícia mais importante do dia, ilustrada para fazer "Cócegas no Raciocínio" e fomentar a indignação dos que são contra o PACOEPA - Pacto Corruptônico que Envergonha o País.
Padrão 552

 

“O ministro da secretaria do Governo, Carlos Marun, criticou nesta quinta-feira, dia 1º, a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de impedir a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no Ministério da Justiça, devido a pendências da filha de Roberto Jefferson – presidente da sigla – na Justiça trabalhista.

553

Marun ironizou as críticas feitas a Cristiane Brasil, dizendo que “acham que ministro vai à praia de terno, eu vou de calção”, referindo-se ao vídeo no qual a deputada aparece de roupa de banho defendendo sua nomeação ladeada por homens sem camisa.” (Denise Luna – UOL Estadão Conteúdo).

554

“A presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, disse na sessão solene de abertura do ano no Judiciário nesta 5ª feira (1º.fev.2018) que “é inadmissível e inaceitável desacatar a Justiça, agravá-la e agredi-la“. Na semana passada, o ex-presidente Lula disse não ver “nenhuma razão” para respeitar a decisão da 8ª Turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), que confirmou sua condenação por lavagem de dinheiro e corrupção passiva e aumentou a pena determinada pelo juiz Sérgio Moro.” (Luiz Felipe Barbiéri, Amanda Audi e Eduardo Barretto – Poder360).

555

“Lula foi condenado sem provas e a repercussão no mundo depõe contra o país”, diz o oportunista que quer garantir o foro privilegiado na próxima eleição, associando-se a Lula no pobre imaginário político alagoano. O que depõe contra o país são as investigações contra Renan paradas no Supremo.” (O Antagonista).

556

“O presidente Michel Temer (MDB) não recebeu sua aposentadoria como procurador do estado de São Paulo nos meses de novembro e dezembro de 2017. O pagamento dos vencimentos de Temer, de mais 22.000 reais líquidos mensais, foi suspenso pela São Paulo Previdência (SPPrev), responsável pelas aposentadorias dos servidores públicos paulistas, porque o emedebista não realizou o recadastramento anual de seus dados, a chamada “prova de vida”. (Veja.com).

557

“Na contramão da austeridade pilotada pelo ministro Henrique Meirelles, o Ministério da Fazenda promove uma licitação que triplica o valor de contrato de manutenção de seus prédios, incluindo de elevadores, ar condicionado, informática etc. O contrato, que custou R$8 milhões em 2017, passará a R$28 milhões, segundo a proposta vencedora de uma empresa que até já foi declarada inidônea pelo próprio governo federal.” (Cláudio Humberto – Diário do Poder).

PARA COMPARTILHAR NO FACE BOOK, CLIQUE NO PRIMEIRO QUADRO:

 

0 comments

Deixe uma resposta